O que pensamos sobre Story Games?

18:19


A distância da definição entre RPG e Story Game é muito ampla. Com mais de 40 anos na história, nós conseguimos ter uma definição simbólica e popular do RPG: um jogo de interpretação de papéis. Mas com o advento dos jogos que pervertam alguns elementos tradicionais do RPG (FIASCO é um exemplo) edificou-se o termo story games. Então, o que alguns game designers brasileiros pensam a respeito disto? Então este é o propósito deste artigo. Registrar e incentivar que as pessoas reflitam sobre o assunto.

O ponto de partida para uma possível definição de story games é uma declaração muito significativa de Vincent Baker, autor de Apocalypse World, sobre o que são RPG's. Em um artigo escrito pela Avery Mcdaldno, autora de Monsterhearts, ela registra esta definição. Eu farei uma tradução livre.


RPG é uma conversa.

A partir disto, todo o restante do parágrafo sustenta essa premissa. Claro que é uma redução que fere aos termos mais tradicionais. Logo, esta afirmação trouxe um impacto muito forte na comunidade de desenvolvedores(as) independentes. Novos pontos de vistas com narrativas jogáveis surgiram. A pluralidade de temas (gestão de comunidades, família, lgbtq+, natureza, etc...) foi o maior benefício para sair do eixo fantasia-ficção científica. Um novo nicho vem aumentando gradativamente a cada ano.

Precocemente, eu publiquei um texto no Medium chamado: O que são jogos de contar histórias? Nele coloco uma ideia muito forte sob apenas um ponto de vista narrativo. A narrativa não focada no personagem, apenas na história. Os personagens são apenas instrumentos para guiar a narrativa. É uma visão em terceira pessoa.

Sendo assim, procurei o Encho Chagas (autor do jogo Pulse), Júlio Matos (um dos autores do jogo UED) e Eduardo Caetano (autor do jogo Violentina) para saber o que eles pensam sobre o assunto. Basicamente, eles preferem não definir o termo. O próprio Encho me recomendou a pedir a opinião do Eduardo sobre o assunto. Então que fique mais uma vez bem claro que é apenas um pensamento. Fique livre para coletar estas mensagens e transformá-las em novos pensamentos. Deixo registrado o meu convite para você opinar sobre o assunto nos comentários.

Eduardo Caetano




Bom, eu defino Story Games como uma ramificação dos RPGs, onde o foco, o objetivo principal do jogo é mais contar uma história coletivamente, do que representar um papel dos jogos tradicionais


Júlio Matos





Oi Alan, não tenho uma definição fechada. Mas eu acredito que um Story Game se caracteriza pelo objetivo centrado na narrativa, em sua forma e resultado. Em contraposição ao RPG que é centrado na representação de personagens que melhoram ao longo do tempo, sendo esse o objetivo principal.

Eu recomendo você visitar a comunidade Indie RPG e o fórum Story-Games para aprofundar sobre o assunto.

Forte abraço.

Você poderá gostar também de:

0 comentários